Como Funciona o Auxílio Emergencial Para Empresas?

A pandemia de covid-19 continua causando efeitos negativos na economia. Assim, o auxílio emergencial para empresas do tipo MEI segue em 2021.

novado recentemente pelo governo federal, o auxílio é uma forma de tentar contornar a crise causada pelo coronavírus. No entanto, passou por adequações nos últimos meses.

Para entender melhor como está funcionando o auxílio, confira o artigo a seguir!

Veja Como a Economia Está Lidando Com a Pandemia

Economistas afirmam que o setor que mais sofre é o de varejo, especialmente para micro e pequenas empresas. Sendo extremamente necessário fornecer às empresas subsídios para continuar em funcionamento.

O setor de varejo, deve perder 12% de seu faturamento anual para o ano de 2021. Considerando que cerca de 716.000 empresas fecharam as portas no país desde o início da pandemia, o auxílio emergencial para empresas do tipo MEI segue em 2021, com a finalidade de reduzir os impactos causados pela segunda onda de crescimento de casos pelo Covid-19.

Renovado recentemente pelo governo federal, o auxílio é uma forma de tentar contornar a crise causada pelo coronavírus. No entanto, passou por adequações nos últimos meses.

Entenda O Que É o Auxílio Emergencial Para Empresas

Embora muitos negócios tenham passado por dificuldades nos últimos meses, o auxílio emergencial para as empresas foi limitado. Apenas os profissionais informais e enquadrados como Microempreendedores Individuais receberam a ajuda do governo federal dessa forma.

Claro que existem linhas de crédito à disposição, porém, não funcionam como auxílio. Por isso, é importante entender primeiro como foi desenvolvida essa ajuda.

Inicialmente, o auxílio foi estabelecido como um benefício também chamado de corona voucher. Sua aprovação inicial foi de valores de, em média, R$600, sendo o dobro para mães chefes de família.

Para empresas, o valor foi considerado para trabalhadores informais de baixa renda e também os enquadrados como MEI. Além disso, os contribuintes do INSS, seguindo critérios específicos, também receberam o direito.

Ao todo, foram 5 parcelas pagas durante o ano de 2020 e suspensas em dezembro. Desde então, houve muitas discussões sobre sua retomada. Mas foi apenas em abril deste ano que as novas parcelas foram confirmadas. Desta vez, porém, o valor é diferente.

Segundo o governo federal, os aprovados para o auxílio emergencial para empresas vão receber R$150. O novo benefício tem valores que variam deste valor até R$375, porém, com teto mais alto para mulheres que são chefes de família. Para quem está dentro do MEI, não deve passar de R$150 mesmo, embora ainda não tenham sido pagos.

Descubra se Ainda é Possível Pedir o Auxílio Emergencial Para Empresas

Durante o ano de 2020, os beneficiários do auxílio emergencial para empresas só precisam se cadastrar no site oficial. Com dados como o CNPJ, a principal exigência era não ter faturamento tributável acima de R$ 28.559,70 em 2018. Todas as classificações de CNAE foram aceitas, na época.

Outro critério importante era não receber outros auxílios como:

  • seguro-desemprego;
  • aposentadoria;
  • programa de transferência federal de renda.

No caso das pessoas com MEI que também recebiam Bolsa Família, o próprio sistema determinou que o beneficiário recebesse o auxílio de maior valor.

Agora, porém, o auxílio emergencial para empresas passou por um novo pente fino. Após receber parcelas entre R$600 e R$300, os valores foram atualizados para R$150. E um detalhe chamou atenção: apenas quem já estava cadastrado continuou com direito ao benefício.

Na prática, isso significa que um novo cadastrado no MEI não tem direito a receber o valor. Isso porque continuam sendo considerados apenas os beneficiados que foram aprovados na leva de 2020.

Outro ponto importante é que se a pessoa receber algum outro benefício no meio do caminho, terá que abrir mão das novas parcelas.

Confira Alternativas Para Organizar Suas Finanças Durante a Pandemia

Como é possível perceber, o auxílio emergencial para empresas conta com algumas restrições. É por isso que você pode buscar outras alternativas para reorganizar as finanças da sua empresa.

Linha de Crédito

Foi anunciado pelo SEBRAE (Serviço Brasileito de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) e Caixa Econômica Federal uma linha de crédito de R$7,5 milhões a empresas que faturam até R$4,8 milhões por ano. O Auxílio Emergencial tem a finalidade de ajudar as empresas a manterem um capital de giro. Para cada empresa o empréstimo tem valor máximo de R$ 12,5 mil, com taxas de juros de até 1,56%, carência de 9 meses, e parcelamento de até 24 meses.

Nessa modalidade de crédito, são beneficiados: MEI (até R $81 mil no ano), Microempresas (até R$ 360 mil por ano), e Empresas de Pequeno Porte (de R$ 360 mil à R$ 4,8 milhões por ano).

Empréstimos

Além disso, alguns bancos, instituições financeiras e fintechs oferecem empréstimos com condições especiais para MEI. Desta forma, é interessante que o empresário busque as melhores alternativas para sua empresa. O Itaú, por exemplo, oferece empréstimos com taxas de 3,79% ao mês.

 Já o Banco do Brasil, oferece o empréstimo como garantia de imovel, com parcelas em até 240 meses e valor de empréstimo de até R$ 3 milhões.

Além destes, o Banco Central do Brasil criou um programa com medidas que ampliaram a oferta e acesso a créditos de micro, pequenas e médias empresas. Entre as medidas anunciadas, temos a possibilidade de:

  • utilizar um imóvel como garantia de mais de um empréstimo;
  • redução do requerimento de capital das instituições de pequeno porte;


Além disso, há a obrigatoriedade de concessão de novo empréstimo para micro, pequenas e médias empresas com a finalidade de fornecer capital de giro para empresas continuarem suas operações.

Saiba Como Aconteceu o Auxílio Emergencial Para Empresas em Outros Países

Em comparação a outros países, o auxílio emergencial no Brasil é tímido. Nos EUA, foram direcionados US$ 520 bilhões de dólares para empréstimos a pequenas empresas, com a vantagem de que se a empresa reduzisse as demissões não precisaria devolver o valor. 

Houve também medidas para ajudar os desempregados, com estados oferecendo auxílio desemprego de cerca de US$ 600 dólares por semana. Já na Europa, países como Reino Unido seguraram a falência de empresas, oferecendo subsídios como pagamento de 80% dos salários dos funcionários para empresas que não promoveram demissões. Além disso segurou os aumentos de aluguéis e prorrogou por meses o pagamento dos mesmos.

Já nas terras brasileiras, o auxílio emergencial apesar de extremamente importante para a economia, é mais enxuto. Como empreendedor, a alternativa é buscar soluções para manter o negócio de pé, acreditando que o mercado voltará à ativa a partir da vacinação em massa. É necessário a avaliação de como as alternativas irão afetar seu planejamento financeiro. 

Em resumo, o auxílio emergencial para empresas poderia ter ajudado mais setores. E tem sido especialmente mais difícil em 2021. Apesar disso, já serve de ajuda para alguns empreendedores.

Mas o que você acha? O auxílio poderia ter sido diferente? Conte aqui nos comentários como teria sido o ideal!